domingo, 4 de abril de 2010

Movimento de Translação e as Estações do Ano

Em países localizados em hemisférios opostos. Assim, en¬quanto os brasileiros, no mês de dezembro, curtem o calor no he¬misfério sul, os norte americanos se protegem do frio e da neve no hemisfério norte.
Nessa época, o hemisfério sul fica mais exposto à luz e ao calor do Sol, enquanto o hemis¬fério norte é atingido com menor intensidade pêlos raios solares. Por isso, no hemisfério sul é ve¬rão e no hemisfério norte, inver¬no. No mês de junho ocorre exatamente o contrário.
Portanto, quando você vai para casa mais cedo para "curtir" as longas noites frias de inverno ou quando aproveita a luminosi¬dade dos dias quentes de verão, você está sentindo as conse¬quências do movimento de trans¬lação da Terra, cuja duração e características exercem influên¬cia direta sobre a nossa vida em países localizados em hemisférios opostos. Assim, en¬quanto os brasileiros, no mês de dezembro, curtem o calor no he¬misfério sul, os norte americanos se protegem do frio e da neve no hemisfério norte.
Nessa época, o hemisfério sul fica mais exposto à luz e ao calor do Sol, enquanto o hemis¬fério norte é atingido com menor intensidade pêlos raios solares. Por isso, no hemisfério sul é ve¬rão e no hemisfério norte, inver¬no. No mês de junho ocorre exatamente o contrário.
Portanto, quando você vai para casa mais cedo para "curtir" as longas noites frias de inverno ou quando aproveita a luminosi¬dade dos dias quentes de verão, você está sentindo as conse¬quências do movimento de trans¬lação da Terra, cuja duração e características exercem influên¬cia direta sobre a nossa vida.

Movimento de translação é o movimento que a Terra realiza ao redor do Sol junto com os outros planetas.
Em seu movimento de translação, a Terra per¬corre um caminho que tem a forma de uma elipse, o qual chamamos de órbita.
A Terra, em sua órbita, não mantém a mesma velocidade, que é maior quanto mais o planeta se aproxima do Sol e menor quanto mais se afasta dele. O Sol não está no centro da elipse; por isso, a Terra não está sempre à mesma distância do Sol.
O tempo que a Terra demora para dar uma vol¬ta completa ao redor do Sol é chamado ano. O ano ci¬vil, adotado por convenção, tem 365 dias. Como o ano sideral ou tempo real do movimento de translação é de 365 dias e seis horas, a cada quatro anos temos um ano de 365 dias, que é chamado de bissexto.
No seu caminho ao redor do Sol, a Terra segue realizando tam¬bém o seu movimento de rotação. O eixo ima¬ginário, em torno do qual a Terra faz a sua ro¬tação, tem uma incli¬nação de 23°27' em re¬lação ao plano da órbita
terrestre. Por esse motivo, a iluminação do Sol não é igual em todos os lugares da Terra, durante o ano todo.

As estações do ano
Além de regular o calendário das nossas atividades, o movimento de translação tem como conse¬quência um fato fundamenta] para a vida humana na Terra: a alternância das estações do ano.
As estações do ano condicionam as atividades agropecuárias e a existência de variados tipos de ve¬getação e espécies animais em diferentes lugares da Terra.
Elas são determinadas pela posição da Terra em relação ao Sol. Devido à inclinação do eixo ter¬restre, as estações não são iguais nos dois hemis¬férios, alternando-se em relação à linha do Equador.

As datas que marcam o início das estações do ano determinam também a maneira e a intensidade com que os raios solares atingem a Terra em seu movimento de translação. Esses dias recebem a de¬nominação de equinócio e solstício.

Equinócio
No dia 21 de março os raios de só! caem per¬pendicularmente sobre a linha do Equador, tendo o dia e a noite a mesma duração na maior parte dos lu¬gares da Terra (exatamente 12 horas). Daí o nome equinócio (noites iguais aos dias). Nesse dia, no he¬misfério norte, é o equinócio âe primavera e no he¬misfério sul, o equinócio de outono.
No dia 23 de setembro, ocorre o contrário: é o equinócio de primavera, no hemisfério sul, e o equi¬nócio de outono, no hemisfério norte.

Solstício
No dia 21 de junho os raios solares chegam ver¬ticalmente ao paralelo de 23"27' N (trópico de Cân¬cer). Nesse momento ocorre o solstício da verão no hemisfério norte. E o dia mais longo e a noite mais curta do ano, que marcam o início do verão, No hemisfério sul, acontece o solstício de inver¬no, com a noite mais longa do ano, marcando o iní¬cio da estação fria.
No dia 21 de dezembro, os raios de sol caem verticalmente sobre o trópico de Capricórnio (23°27' LS). E o solstício de verão no hemisfério sul, com o dia mais longo do ano e o início do verão. No hemisfério norte, acontece a noite mais longa do ano. E o início do inverno.

O RELÓGIO DE SOL
O relógio de sol era um valioso instrumento para os as¬trônomos da Antiguidade, encarregados da elaboração de um calendário.
sua própria sombra [sombra movente), causada pelo movimento aparente do Sol. Mais tarde descobriu que podia fazer a esti¬mativa das horas, pela sombra de uma vareta fincada numa su¬perfície plana, na posição vertical. Assim criou o gnômon, uma forma primitiva de relógio de sol.
Observando o movimento da sombra projetada pelo gnô¬mon durante o dia, ele podia ter a noção do tempo: quando a sombra estava bem longa era hora do amanhecer ao meio-dia, ela se apresentava no seu tamanho mínimo, voltando a alongar-se ao entardecer. Assim, o homem criou o reló¬gio de sol e começou a fazer a contagem do tempo.
Medindo ao longo do ano o comprimento da sombra, podiam saber que, quando o Sol estava no meridiano que passa pelo local, ocorriam os solstícios. Entre o Equador e o trópico de Capricórnio, a sombra apontava para o norte ou para o sul. A sombra mais longa para o norte ocorria no solstício de verão; e a sombra mais longa para o sul, no solstício de inverno.
O sábio grego Anaximandra (610-547 a.C.) usou o relógio de sol para determinar o equinócio. Nessa data, o Sol corta o Equador celeste, que nada mais é do
que a projeção do Equador terrestre. Assim, pelo com¬primento da sombra média no equinócio, pode-se avaliar a latitude de um lugar.
O gnâmon e a divisão do dia em doze partes foram descobertas dos babilônios, mas o primeiro relógio de sol foi construído pêlos egípcios no século XIII antes de Cristo.
Como instrumento de medição do tempo, o reló¬gio de sol teve muito prestígio entre os romanos, atingiu o apogeu entre os árabes, por volta do ano 1000, e foi usado na Europa até o século XVIII.

3 comentários: