domingo, 4 de abril de 2010

Movimento de Rotação e os Fusos Horários

A hora local de uma cidade é dada pelo seu fuso horário, uma consequência do movimento de rotação da Terra. Além dos fusos horários, que dão a medida do tempo nas diferentes partes do mundo, são consequências do movimento de rotação da Terra:
- o movimento aparente do Sol, que surge no Oriente e se oculta no Ocidente;
- a sucessão dos dias e das noites, que regula a organização e o planejamento das atividades humanas;
- a formação das correntes marítimas, que podem ser alteradas pelo desvio dos ventos, influindo na navegação marítima e na localização de áreas pesqueiras.
As comunicações entre os continentes têm sido beneficiadas pela utilização de satélites artificiais que funcionam seguindo o movimento de rotação da Terra.

O movimento de rotação, é o movimento que a Terra realiza em torno de si mesma ou de seu eixo imaginário. Nesse movimento, o planeta gira de oeste para leste, a uma velocidade média de 463 metros por segundo, na altura do Equador, que vai diminuindo em direção aos pólos.
A Terra leva 24 horas para realizar o seu movimento de rotação. O tempo que a Terra demora para dar uma volta completa em torno de si mesma é chamado dia.
O dia solar, portanto, dura 24 horas e se baseia no despontar e no pôr-do-sol.
O dia civil também tem 24 horas, mas não é marcado pelo aparecimento e desaparecimento do Sol. Por convenção, desde 1925, ficou estabelecido que o dia civil começa depois da meia-noite. E o dia civil que regula a nossa vida diária.
A rotação terrestre também determina os pon¬tos cardeais, permitindo a orientação no espaço geo¬gráfico. O norte e o sul são determinados pêlos ex¬tremos do eixo terrestre. O próprio movimento de rotação fixa os outros dois pontos: o lado onde o Sol desponta é o leste; o lado onde o Sol se põe é o oeste.

Os fusos horários

As diferenças de horas entre os vários lugares da Terra criaram a necessidade de estabelecer uma forma comum de marcar a hora local. Foi definido um sistema de 24 fusos horários que teria como pon¬to de partida o meridiano de Greenwich.

O sistema de fusos horários pode ser explicado da seguinte maneira:
Ao girar, a Terra expõe ao Sol a esfera terrestre, que tem 360° de circunferência. Considerando que o nosso planeta leva 24 horas para realizar seu movimen¬to de rotação, veremos que, a cada hora, o Sol ilumina uma faixa de 15° na superfície terrestre (360":24 = 15°). Essas faixas são chamadas de fusos horários.
Exatamente no meio de cada uma dessas faixas (7°30'} passa um meridiano que determina a hora lo¬cal do fuso, chamada de hora legal. Geralmente, a hora legal de cada lugar do mundo é determinada pela hora legal de seu fuso. Entretanto, são feitas modificações no traçado dos fusos para que as horas coincidam dentro do limite de países, estados, etc.
A contagem dos fusos inicia-se no meridiano de Greenwich que, por isso, é chamado de meridiano inicial. A hora marcada nesse meridiano é conheci¬da como GMT (Greenwich Meridian Time - hora média de Greenwich)
O primeiro fuso - o fuso de Londres - está compreendido entre 7°30' O e 7°30' L do meridiano inicial, totalizando os 15° que formam um fuso ho¬rário. A sequência dos demais fusos é contada a par¬tir do fuso de Londres, levando em consideração que a Terra, em seu movimento de rotação, gira de oeste para leste, Como o Sol surge antes nos lugares situa¬dos a leste, sempre que caminhamos nessa direção as horas aumentam. Ao contrário, sempre que va¬mos para o oeste as horas diminuem. Desse modo, todos os fusos a leste do meridiano de Greenwich têm seus horários adiantados e todos os fusos a oeste têm seus horários atrasados em relação ao meridia¬no inicial.

OS FUSOS HORÁRIOS PASSO A PASSO:

A partir do meridiano de Greenwich, são estabele¬cidos 24 fusos horários, com 15 graus cada um.
São 12 fusos para leste e 12 fusos para oeste.
Os fusos são o resultado da divisão da circunfe¬rência terrestre (360°) pelas 24 horas do dia [360°: 24 = 15°].
Dentro de um fuso horário, todos os lugares têm a mesma hora. É a hora legal do fuso.
O meridiano de um fuso horário passa pela metade desse fuso.
Para evitar problemas para o comércio, bancos, meios de transporte, muitos países alteram os limi¬tes de seus fusos horários. O dia de 24 horas começa num lugar quando o horário desse lugar marcar meia-noite. Para economizar energia, alguns países adiantam a hora legal no verão. é o horário de verão, que al¬tera ainda mais as diferenças entre os fusos. Cada fuso compreende 15 meridianos (15°) e cor¬responde a uma.


O lugar onde o calendário muda

Existe uma Unha que corta o globo de pólo a pólo, onde a data dá um salto de um dia.
Imagine que você resolva fazer uma viagem diferente no fim do ano: uma travessia pelo oceano Pacífico, a bordo de um transatlântico. Uma noite, no final do jantar, quando o navio está em mar aberto, o capitão anuncia: "Atenção, senhoras e senhores! É exatamente meia-noite de 30 de dezembro. Mas temos de levantar um brinde pelo réveillon: já, porque a partir de agora entramos no dia 13 de janeiro".
Como é possível passar por cima do dia 311 Os pas¬sageiros ficam intrigados. O que existe de diferente nesse pedaço do mundo? É como se, ali, num ponto qualquer, perdido em pleno mar, o tempo sofresse uma descontinuidade, e o dia pulasse, de repente, de 30 de dezembro parai9 de janeiro. O mais estranho de tudo é que a hora continua a mesma: meia-noite. Você saberia resolver esse enigma?
É que, exatamente à meia-noite de 30 de dezembro, o navio cruzava a unha Internacional de Data. Essa linha cor¬ta o globo terrestre do pólo norte ao pólo sul, seguindo mais ou menos o meridiano de 180°, do lado oposto ao meridiano de Greenwich, na Inglaterra. A partir de Greenwich são acertados os relógios de todo o mundo, pêlos fusos horá¬rios. A leste dele, adianta-se uma hora, a cada 15 graus.
Só que, quando se chega a Unha Internacional de Da¬ta, muda-se não o relógio, mas a folhinha: a leste dela, volta¬mos 24 horas no tempo. Ou seja, quem atravessa essa linha de oeste para leste volta de hoje para ontem. Porquê? Para acertar as contas do calendário.
Veja a seguir o problema que teríamos, por exemplo, se apenas contássemos as horas, a cada fuso horário.
Suponha que é meia-noite do dia 30 de dezembro e você está em São Paulo (desconsidere o horário de verão). Se ligar para uma outra cidade, mais a este, digamos a Ci¬dade do Cabo, na África do Sul, vai ver que lá serão 4 horas da manhã do dia 31 de dezembro, porque a cidade fica a cinco fusos horários a leste. Quanto mais a leste você ligar, mais tarde será. No Japão já será meio dia, e, no Havaí, 6 ho¬ras da tarde. Seguindo o mesmo raciocínio, no Peru se¬riam 23 horas, também do último dia do ano. Se continuas¬se nesse andamento, ao completar a volta ao mundo, você chegaria à conclusão de que seu vizinho de oeste já este na meia-noite do dia 31. Mas você continuaria no dia 30.
Para assinalar uma única data, é preciso fazer um acer¬to em algum ponto. Então, por convenção, diminui-se um dia quando se passa sobre a Linha Internacional de Data, de oeste para leste, Para evitar problemas no dia-a-dia das pessoas, a Linha Internacional de Data não segue exatamente o meridia¬no de 180°. Ela faz algumas curvas, desviando-se de ilhas e regiões em terra firme onde possam existir comunidades.
Veja um exemplo da confusão que reinaria numa ci¬dade que fosse cortada pela Linha Internacional de Data. No caso de inflação alta, o cliente de um banco poderia ganhar um bom dinheiro apenas atravessando a rua. Bastaria fazer um depósito na agência bancária do lado leste da cidade e retirar o dinheiro imediatamente em outra agência, do lado oeste. Ele lucraria os juros de um dia em poucos minutos. E tem mais: os compromissos teriam de ser marcados levan¬do em conta de que lado da cidade cada pessoa mora. Ou seja, todos teriam de manipular duas agendas.
Fonte: Superinteressante – novembro de 1995

4 comentários:

  1. vlw ai! me ajudou bastante a estudar pra a prova!

    ResponderExcluir
  2. é muito legal o pra estudar muito obrigado pra mim a ajuda eu pra mim pode fazer a prova e tanbem passa de ano

    ResponderExcluir
  3. Achas que o fato da Terra girar de oeste para leste, seria o responsável pelo Pacífico ser 26 cm mais alto que o Atlântico?
    Agradeço a atenção. - edrofil@ig.com.br

    ResponderExcluir
  4. voce pode me explicar como o fuso horario afeta a economia global!!

    ResponderExcluir